Neste primeiro post irei falar um pouco sobre a Internet das Coisas. Dividi este post em partes para facilitar a leitura e o entendimento. Boa leitura!

    A Internet das Coisas (em inglês, Internet of Things – IoT) já é uma realidade. Dispositivos médicos, industriais e pessoais já estão conectados à Internet. Ainda existe muita especulação quando se fala neste assunto, mas uma das grandes preocupações (pelo menos deveria ser) é como este grande número de dispositivos conectados poderá afetar, em termos de segurança, a vida das pessoas.

    De acordo com estudo da Cisco (maior fabricante de equipamentos de comunicação de dados da Internet), o tráfego mundial de dados irá atingir 2 zettabytes em 2019. (2 Zettabytes equivalem a aproximadamente 2 bilhões de discos rígidos contendo cada um 200 mil músicas de 3 minutos de duração).

    De acordo com o Gartner, 25 bilhões de dispositivos estarão conectados à Internet até 2020, sendo que 250 milhões serão veículos transitando nas estradas.

    A consultoria Ernst Young divulgou um relatório prevendo que até 2020, haverá mais de 20 bilhões de dispositivos conectados à redes sem fio (WiFi).

    Além de fatores como a melhora na velocidade da banda larga e o aumento no uso de dispositivos móveis, a Internet das Coisas será o ponto-chave para esta avalanche de dados que está vindo por aí. E, junto com ela, o risco com relação à segurança também aumenta.

    Eugene Kaspersky (sócio fundador da empresa fabricante do antivírus de mesmo nome) em evento realizado em Setembro de 2015 cunhou a seguinte frase: “O que vocês chamam de Internet das Coisas, eu chamo de Internet das Ameaças”. Um trocadilho em inglês, “What you call Internet of Things, I call Internet of Threats”. No mesmo evento foi enfatizado que ciberterroristas já vem se utilizando de tecnologias emergentes para atacar infraestruturas críticas, como redes de telecomunicações e instituições financeiras e, num futuro próximo, poderão vir a atacar redes de energia, serviços médicos, transportes e infraestrutura urbana.

    E o que tudo isso tem a ver conosco? Simplesmente, TUDO! Se potencialmente, bilhões de dispositivos estarão conectados uns aos outros, como poderemos manter nossas informações privadas seguras? Para sabermos como nos proteger, primeiramente precisamos entender o cenário tecnológico que nos envolve e conhecer algumas ameaças já existentes.

     A UTrust IT é uma Organização da União Europeia que tem por objetivo estudar e pesquisar sobre o uso confiável da Internet das Coisas, a confiança entre as Coisas. E a UTrust IT define o que é uma “Coisa” e o que é a “Internet das Coisas” da seguinte forma:

Coisa” é um objeto real ou virtual, cliente ou servidor de um serviço ofertado através de um meio de comunicação de dados.

Por exemplo, um relógio só é considerado uma “Coisa” se estiver compartilhando ou recebendo informações através de um meio de comunicação como uma Rede sem Fio ou Bluetooth. O relógio que marca a distância percorrida e sincroniza com o aplicativo instalado no celular é uma Coisa. O relógio que marca apenas as horas é simplesmente um objeto, um acessório.

Internet das Coisas” é um grupo de Coisas que se comunicam umas com as outras e, ocasionalmente, através de uma infraestrutura de comunicação de dados, como as redes locais (domésticas ou corporativas) ou a Internet.

É importante deixar claro que, apesar do nome Internet das Coisas, as Coisas não se comunicam apenas através da Internet. Podem se comunicar via Wi-Fi em sua casa. Por exemplo, o compartilhamento da tela de um computador ou de um celular com a tela da TV em sua sala.

          Há diversos domínios de utilização da Internet das Coisas, tais como:

  • Ambientes Industriais;
  • Aviação;
  • Casas Inteligentes (Smart Homes);
  • Escritórios Inteligentes (Smart Offices);
  • Exploração Espacial;
  • Redes Corpóreas (BAN – BodyArea Networks) compostos pelos Dispositivos Vestíveis (Wearable Devices) como um relógio inteligente ou um marca-passo;
  • Redes Veiculares (VANETs – Vehicular Ad Hoc Networks);
  • Telecomunicações;
  • Votação Eletrônica (E-Voting) etc.

    No próximo post irei comentar sobre algumas vulnerabilidades já encontradas nos domínios acima listados e citar algumas medidas de proteção a serem adotadas ao utilizar dispositivos IoT. Até lá!

Anúncios